Publicado por: Conselheiro Fnord | 20/06/2012

EXISTE O DISCORDIANISMO CORPORATIVO?


OK.gif

O Discordianismo Corporativo é um conceito interessante… Trata-se praticamente de um "super-poder" desenvolvido nos Discordianos Praticantes que permite a utilização dos Conceitos Discordianos em um Ambiente Corporativo de forma a obter vantagens estratégicas e vitórias profissionais.

Podemos citar alguns…

Clarividência Discordiana:
Também chamado Precognição Discordiana ou Telepatia Erisiana, é o poder (proveniente da Glândula Pineal) de prever o resultado, ou a falta de resultado, de qualquer reunião de trabalho apenas sabendo quem são os participantes da reunião ou as áreas envolvidas. Este "Dom" permite ao Discordiano Praticante elaborar até mesmo a Ata da reunião muito antes da reunião ter ocorrido. Exemplo: "Fulano de Tal apresentou as necessidades de desenvolvimento para o Projeto X. Beltrano, da área XPTO, informou que sua área não tem Alçada nem recursos para atender o ítem X, e que o responsável mais indicado seria o Sr. Ciclano, da área XYZ. Este, por sua vez, não se manifestou uma vez que não foi convocado para esta reunião. Os participantes chegaram a conclusão que será necessário agendar nova reunião com a área XYZ… Os Gestores envolvidos divergiram com relação ao Nome do Projeto, uma vez que suas respectivas áreas deveriam aparecer em primeiro lugar para criar uma Identidade junto aos Clientes. Não se chegou a um veredito de qual Área ou Gestor seria o mais importante (Kallisti). Será criado um Comitê para discutir o assunto. Com relação ao organograma, foi decidido Centralizar as áreas A, B e C, para se obter controle das atividades descentralizadas. A área Z, por sua vez, será descentralizada com o objetivo de ganhar dinamismo. Desta forma os problemas inerentes serão resolvidos…"

Erística ou Dialética Erística:
Utilização de Falácias, Estratagemas (Schopenhauer), Mindfuck, FNORDS, PNL, Linguagem Hipnótica, Sensualidade/Sexismos, Aparência, Escolha de Vocabulário, Metáforas, Padrões de Crenças, Engenharia Social, Networking etc. na apresentação ou defesa de projetos, cronogramas, levantamento de requisitos, comunicação com equipes, gestores etc.

Conhecimento das Grandes Leis:
Profundos conhecimentos e aplicações das Leis Fundamentais que regem o Comportamento Humano: Lei da Gravidade, Lei de Murphy, Lei da Oferta e da Procura, Lei do Menor Esforço (veja também Corrente Crítica em Projetos) e Lei do Mais Forte.

Manipulação das Crenças:
Conhecimento das Limitações Humanas derivadas dos Modelos Mentais (Grades) e utilização de Comandos Mentais pré-programados pelas Grades Sociais, Religiosas e Culturais do recurso a ser manipulado. Exemplo: Utilização do Time de Futebol como gerador de Empatia ou Discórdia…

Resiliência Discordiana:
Utilização de Técnicas Discordianas de Relaxamento, Respiração, Técnica das "Bolas de Aço". De acordo com a Wikipedia, a resiliência é um conceito psicológico emprestado da física, definido como a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas sem entrar em surto psicológico ou uma tomada de decisão quando alguém depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade. Assim entendido, pode-se considerar que a resiliência é uma combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades.

Este tópico merece um maior aprofundamento. Na Wikipedia, a Resiliência é dividida em:

Administração de Emoções: Refere-se à habilidade de se manter sereno diante de uma situação de estresse. Ressalta que pessoas resilientes quanto a esse fator são capazes de utilizar as pistas que leem nas outras pessoas para reorientar o comportamento, promovendo a autorregulação. Segundo esse autor, quando essa habilidade é rudimentar, as pessoas encontram dificuldades em cultivar vínculos e, com frequência, desgastam no âmbito emocional aqueles com quem convivem em família ou no trabalho.

Controle dos Impulsos: Um segundo fator é o controle de impulsos, que se refere à capacidade de regular a intensidade de seus impulsos no sistema neuromuscular (nervos e músculos). É a aprendizagem de não se levar impulsivamente pela experiência de uma emoção. O autor explicita que as pessoas podem exercer um controle frouxo ou rígido do seu sistema muscular, visto que esse sistema está vinculado à regulação da intensidade das emoções. Dessa forma, a pessoa poderá viver uma emoção de forma exacerbada ou inibida. O controle de impulso garante a autorregulação dessas emoções ou a possibilidade de dar a devida força à vivência de emoções, tornando o grau de compreensão do autor mais sensivel e apurado mediante a situação.

Otimismo: Um terceiro fator é otimismo. Nesse fator, ocorre na resiliência a crença de que as coisas podem mudar para melhor. Há um investimento contínuo de esperança e, por isso mesmo, a convicção da capacidade de controlar o destino da vida, mesmo quando o poder de decisão esteja fora das mãos.

Análise do Ambiente: O quarto fator é a análise do ambiente. Trata-se da capacidade de identificar precisamente as causas dos problemas e das adversidades presentes no ambiente. Essa possibilidade habilita a pessoa a se colocar em um lugar mais seguro ao invés de se posicionar em situação de risco.

Empatia: A empatia é o quinto fator que constitui a resiliência, significando a capacidade que o ser humano tem de compreender os estados psicológicos dos outros (emoções e sentimentos)(colocar se no lugar do outro).

Autoeficácia: Autoeficácia é o sexto fator, que se refere à convicção de ser eficaz nas ações propostas.

Alcance de pessoas: O sétimo e último fator constituinte da resiliência é alcançar pessoas. É a capacidade que a pessoa tem de se vincular a outras pessoas para viabilizar soluções para intempéries da vida, sem receios e medo do fracasso.

Embora seja um conceito presente no Principia Discórdia (PSICO-METAFISICA – páginas 00049 e 00050), a questão da Resiliência foi explicada na Wikipedia da seguinte forma:

O Prof. Dr. Barbosa [SOBRARE] constatou a necessidade de ampliar sua investigação científica na temática da resiliência, pesquisando o mapeamento de oito modelos básicos de crenças. Esse desdobramento, conhecido como Quest_Resiliência, é estruturado com uma abordagem teórica da terapia cognitiva, da psicologia positiva e da teoria geral dos sistemas, cobrindo oito Modelos de Crenças Determinantes (MCDs), relacionados à resiliência a partir de uma abordagem psicossomática.

De 2006 até agora, as pesquisas possibilitaram ampliar os entendimentos sobre a resiliência. É vista agora como o resultado de crenças determinantes que se organizam em blocos denominados modelos. Esses MCDs são estruturados desde a primeira infância. São crenças que se aglutinam quando vamos conhecendo/aprendendo/experimentando os fatos da vida com aqueles que nos cercam. Os MCDs são:

1. MCD de Autocontrole – capacidade de se administrar emocionalmente diante do inesperado. É amadurecer no comportamento expresso, uma vez que será esse comportamento que irá ser lido pelas outras pessoas;

2. MCD de Leitura Corporal – capacidade de ler e organizar-se no sistema nervoso/muscular. É amadurecer no modo de lidar com as reações somáticas que surgem quando a tensão ou o estresse se tornam elevados;

3. MCD de Otimismo para com a Vida – capacidade de enxergar a vida com esperança, alegria e sonhos. É a maturidade de controlar o destino da vida, mesmo quando o poder de decisão está fora de suas mãos;

4. MCD de Análise do Ambiente – capacidade de identificar e perceber precisamente as causas, as relações e as implicações dos problemas, dos conflitos e das adversidades presentes no ambiente;

5. MCD Empatia – capacidade de evidenciar a habilidade de empatia, bom humor e de emitir mensagens que promovam interação e aproximação, conectividade e reciprocidade entre as pessoas;

6. MCD Autoconfiança – capacidade de ter convicção de ser eficaz nas ações propostas;

7. MCD Alcançar e Manter Pessoas – capacidade de se vincular às outras pessoas sem receios ou medo de fracasso, conectando-se para a formação de fortes redes de apoio e proteção; (Nota: Também chamado de Networking)

8. MCD Sentido de Vida – capacidade de entendimento de um propósito vital de vida. Promove um enriquecimento do valor da vida, fortalecendo e capacitando a pessoa a preservar sua vida ao máximo.

Cada um dos MCDs desenvolve resiliência em uma área da vida e o leque de todos eles juntos contempla a vida de uma pessoa.

(Leia mais em http://pt.wikipedia.org/wiki/Resili%C3%AAncia_(psicologia) )

Simplificando, a Resiliência Discordianista, pela Abordagem Corporativa, portanto, é a capacidade que possui o "Cú" em voltar ao Estado Original após cada Reunião com o Gestor…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: