Publicado por: Conselheiro Fnord | 02/08/2011

Os melhores líderes do mundo eram mentalmente doentes?


1st-rate-madness-e1312222425661.jpg

Pesquisadores argumentam que os transtornos psiquiátricos foram responsáveis pela criação de alguns dos grandes líderes mundiais.

Virou moda falar que a doença mental tem vários lados positivos, o que explicaria a persistência de doenças como a depressão. Por exemplo, a tendência das pessoas deprimidas a remoer sentimentos, normalmente vista como uma característica indesejável porque alimenta o pensamento negativo, poderia aprofundar a compreensão dos seus problemas e melhorar a tomada de decisões.

Infelizmente, há poucos dados empíricos para apoiar esta posição, e seus muitos opositores apontam que as pessoas deprimidas tendem a remoer as coisas de uma forma irracional (e portanto é improvável que isso leve a ideias esclarecedoras).

Esses argumentos não impediram Nassir Ghaemi de escrever o livro A First-Rate Madness (Loucura Exelente, em tradução livre) argumentando que os melhores líderes durante os tempos difíceis são aqueles com transtornos do humor, uma vez que a doença aumenta as qualidades que a gestão de crises exige.

Tal hipótese provocativa requer provas sólidas. Ainda há muito pouco para sustentar a afirmação de que a doença mental é necessária para o florescimento de traços de liderança.

Se o realismo, a empatia e a criatividade ferramentas de sobrevivência, úteis em quaisquer condições são intensificadas apenas pela insanidade, por que a patologia mental não é mais difundida?

Enquanto ninguém discorda da premissa de que os líderes que são bem sucedidos em tempo de paz são falhos na guerra, e vice-versa, o livro, que foca nos traços de personalidade, fica pouco à vontade com as recentes pesquisa sobre identidade social e dinâmica de grupo, que sugere que a liderança tem mais a ver com a relação entre um líder e seus seguidores do que com o caráter de um indivíduo.

Nesse pensamento tradicional, Winston Churchill, John F. Kennedy (JFK) , Abraham Lincoln, Sonia Gandhi e até mesmo George W. Bush foram influentes em momentos cruciais porque trabalharam duro para serem vistos como atuantes a favor do interesse coletivo dos grupos que representavam.

O livro tem uma abordagem muito diferente, aplicando as ferramentas da psicologia e psiquiatria em figuras históricas para verificar como o seu estado de espírito ditava o seu comportamento.

A análise é interessante, mas história psicológica é uma ciência inexata. Enquanto o sucesso de JFK pode ter sido causado pelo seu uso de esteroides e anfetaminas que o deixaram maníaco, Hitler foi um fracasso porque o seu abuso de metanfetamina fizeram dele muito maníaco. Richard Nixon geralmente considerado bem sucedido, mas também paranoico e depressivo durante a maior parte de sua presidência em tempos de paz foi readiagnosticado como mentalmente saudável e, portanto, mal equipado para lidar com uma crise como o Watergate (série de reportagens de denúncia que viraram escândalo político e levaram à sua renúncia).

O autor reconhece a incerteza na tomada de tais exemplos, admitindo que ele nunca poderia provar, por exemplo, que a depressão de Churchill era relacionada à sua avaliação realista do nazismo. Um dos únicos objetivos declarados de Ghaemi é desmantelar o estigma cultural que envolve a doença mental. O motivo é nobre, mas faltam evidências. [NewScientist]

FONTE: http://hypescience.com/os-melhores-lideres-do-mundo-eram-mentalmente-doentes/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: